Dicas de alimentação especial para as gestantes se protegerem em meio à quarentena

Cuide-se adequadamente e trabalhe o seu fortalecimento imunológico

Os cuidados com a saúde durante a gestação precisam ser prioridade da futura mamãe, afinal, esse processo agora diz respeito a duas pessoas, e por isso é tão importante acertar nas escolhas diárias.

Atualmente, as possibilidades de infecção pelo novo vírus causador da Covid-19 estão por todos os lados, o que causa preocupação e dúvidas em muitas grávidas sobre como manter a si e ao seu bebê devidamente protegidos em relação à essa doença.

Saúde é tudo, agora mais do que nunca

O Ministério da Saúde passou a incluir as gestantes e as mães de recém-nascidos na lista do grupo de risco para o novo coronavírus. Essa decisão foi constituída baseando-se, principalmente, no fato de essas mulheres serem mais vulneráveis a infecções no geral. Consequentemente, os efeitos da Covid-19 podem se manifestar de forma mais severa, especialmente até 45 dias após o parto.

Até o momento não existem evidências científicas de que o novo coronavírus possa ser transmitido da mãe para o bebê ainda no útero ou durante o parto. Caso a mãe esteja com teste positivo para a infecção e queira manter a amamentação, a mesma deverá tomar alguns cuidados, como lavar as mãos antes de tocar o bebê na hora da mamada e usar máscara facial durante a amamentação. No caso da mãe não se sentir à vontade para amamentar diretamente a criança, ela poderá extrair o seu leite manualmente ou usar bombas de extração láctea (com higiene adequada) e um cuidador saudável (desde que esse cuidador conheça a técnica correta de uso desses utensílios). O mais importante é procurar seu médico antes de tomar qualquer medida. 

No caso de apresentar sintomas comuns à Covid-19, como febre, tosse, congestão nasal ou conjuntival, dor de garganta e dores musculares, a gestante não deve procurar de imediato o pronto atendimento hospitalar. O ideal é entrar em contato, via telefone, com um obstetra de confiança, que irá estudar o caso e orientá-la devidamente.

Ressaltamos que as grávidas não podem interromper o pré-natal, mesmo que as consultas se deem pelos meios virtuais.

Defenda-se elevando sua imunidade

Em meio à pandemia que enfrentamos, fortalecer a defesa do organismo é essencial. No caso de uma gestante, essa necessidade se torna ainda mais primordial, afinal, os anticorpos da mãe ajudarão a proteger o bebê nos primeiros 6 meses de vida. No entanto, devido aos fatores hormonais comuns da gestação, existe uma tendência à diminuição da imunidade da mulher.

Considerando esses pontos, aproveitamos o período de isolamento social em casa para sugerir alguns alimentos benéficos para auxiliar na imunidade da gestante. Aproveite para criar e descobrir novas receitas com esses ingredientes especiais!

Alimentos ricos em vitamina C: acerola, limão, laranja e kiwi colaboram com as células de defesas do organismo, que têm efeito direto sobre bactérias e vírus, auxiliando em infecções, gripes e resfriados.

Cebola: possui uma substância chamada quercetina,  que contribui com a imunidade da gestante, prevenindo-a de doenças virais e alérgicas.

Batata Yacon: ajuda na manutenção da imunidade da gestante, além de prevenir diabetes do tipo II e favorecer o bom funcionamento do intestino.

Cogumelo Shitake: possui uma substância chamada lentinana, que estimula a produção das células de defesa do organismo (macrófagos e linfócitos), aumentando a imunidade da gestante.

Vegetais verde-escuros: agrião, almeirão, couve, espinafre, folha de brócolis, que possuem ácido fólico; vitaminas A, B6 e B12, que contribuem na manutenção das células imunológicas da gestante.

Iogurte natural: ajuda na recomposição das bactérias benéficas da flora intestinal chamadas de probióticos e mantém o intestino saudável e capaz de absorver os principais micronutrientes, como as vitaminas e minerais, que fortalecem o sistema imunológico.

Castanha do Pará: tem grande capacidade antioxidante por conter o selênio, ou seja,  ajuda a neutralizar os radicais livres do organismo, auxiliando também no controle da imunidade. 

Cuidado com o excesso de ganho de peso durante a gestação: a obesidade constitui um dos grupos de risco para gravidade da Covid-19

Durante a gravidez, o crescimento fetal, a retenção hídrica, o aumento do volume de sangue circulante, o ganho de gordura e o aumento da massa muscular do útero contribuem para um aumento de peso natural do período. Porém, é preciso ter cuidado para que os números da balança não se elevem de forma exagerada, fato que pode gerar sérios prejuízos para a saúde da mãe e do bebê em formação.

Outro fator alarmante é o fato de a obesidade ser um dos principais fatores de risco nas vítimas da Covid-19 com menos de 60 anos – à frente de problemas respiratórios e cardiológicos, segundo dados do Ministério da Saúde. Algumas pesquisas mostram, inclusive, que a gravidade do quadro clínico do paciente pode ser diretamente proporcional a seu peso. 

Por isso, além de respeitar as orientações de isolamento e higiene para evitar a proliferação do novo coronavírus, é importante que a gestante priorize a escolha de frutas, verduras, vegetais, carnes magras, entre outros exemplos de alimentos saudáveis. O acompanhamento nutrológico e/ou nutricional é essencial nessa fase da vida.

Não deixe a Covid-19 interferir no momento mais especial da sua vida!

Por que algumas mulheres não sabem que estão grávidas?

29 de agosto
Por Dra. Nívia Ximenes

Ginecologista e Obstetra da Maternidade Brasília

 

 

Algumas pacientes passam pela experiência de descobrir a gestação de forma tardia. Acreditem, é muito mais frequente do que imaginamos. Quando gestantes, a maioria das mulheres sentem sintomas muito claros, como dores nas mamas, enjoos, cansaço, atraso na menstruação e, com o tempo, o crescimento da barriga, o que faz com que descubram de forma rápida.

Porém, em algumas, estes sintomas são inexistentes ou então passam de forma desapercebida. Alguns fatores que podem predispor são:

  • Obesidade materna;
  • Longas jornadas de trabalho;
  • Poucas horas de sono;
  • Ciclos menstruais irregulares;
  • Atividade física intensa, entre outros.

 

Os riscos de uma gravidez não percebida estão relacionados a falta de monitoramento, onde várias doenças podem não ser diagnosticadas, e também pelo fato da mãe permanecer com hábitos não saudáveis durante o período.

Não existe alternativa para a mulher que descobre a gravidez desta forma, o jeito é encarar e fazer com que a situação se transforme o menos estressante possível. Após o susto inicial, deve-se procurar assistência médica imediatamente.

Para evitar esse tipo de ocorrência, é importante sempre realizar exames periódicos com seu ginecologista e ficar atenta às mudanças no corpo.

 

19 de Maio: Dia Nacional de Doação de Leite Humano

9 de Maio
Por Dra. Sandi Yurika Callejon de Faria Sato
Pediatra da Maternidade Brasília

O Dia Nacional de Doação de Leite Humano tem como finalidade estimular a doação de leite materno, estimulando o debate sobre a importância do aleitamento para as crianças, sobretudo para os prematuros internados nas UTIs Neonatais, que recebem a doação. A data, comemorada desde 2004, também visa divulgar o trabalho dos Bancos de Leite Humano.

1º de outubro foi a primeira data escolhida para marcar o Dia Nacional de Doação de Leite Humano, entretanto, durante o V Congresso Brasileiro de Bancos de Leite Humano/ I Congresso Iberoamericano de Bancos de Leite Humano/ I Fórum de Cooperação Internacional em Bancos de Leite Humano foi proposta a data de 19 de maio.

No Brasil, os Bancos de Leite Humano se mobilizaram pela mudança da data do “Dia Nacional de Doação de Leite Humano” e criação do “Dia Mundial de Doação de Leite Humano” e programaram eventos em seus municípios e estados para divulgar na sociedade a importância da doação.

Desde 2013, aqui no Distrito Federal, é comemorada a Semana Distrital de Doação de Leite Humano, onde Bancos de Leite Humanos públicos e privados, junto às mães doadoras, parceiros e comunidades, realizam diversos eventos dedicados aos assuntos.

A Maternidade Brasília possui a maior UTI Neonatal privada com 30 leitos e realiza atividades com a equipe assistencial, famílias de bebês em UTis e comunidade,  fortalecendo a importância das doações também para hospital privado, pois este leite tão precioso que ajuda na redução da morbimortalidade de bebês internados é adquirido exclusivamente através de doação voluntária de mulheres que possuem excesso de leite.