Cuide de quem você ama: entenda a importância da imunização infantil

Ao longo dos anos, a vacinação tornou raras inúmeras doenças perigosas para a infância

Alguns pais e mães se preocupam ao ver seus bebês ou crianças pequenas receberem várias vacinas durante uma visita médica. Porém, é preciso entender a importância desse ato indispensável para garantir a proteção de várias doenças perigosas – e, até mesmo, letais.

Muitas vezes esquecidas pela sociedade atual, a caxumba, a rubéola e a poliomielite já estiveram em destaque e constituíram grandes ameaças, quando ainda não existiam formas de imunização contra essas enfermidades. Outro exemplo marcante é o sarampo – antes da introdução da vacina contra a doença, descoberta em 1963, epidemias de sarampo eram ocorrências constantes e, infelizmente, chegavam a causar aproximadamente 2,6 milhões de mortes ao ano. Vacinas também previnem outras doenças significativas, como febre amarela, difteria, tétano, tosse convulsa e gripe.

Como funciona uma vacina?

Quando uma criança é vacinada, seu sistema imunológico é estimulado a desenvolver anticorpos de combate à infecção, para protegê-la de contrair a doença. Assim, se posteriormente essa mesma criança for exposta ao agente agressor em questão, o corpo consegue reconhecê-lo e, a partir deste reconhecimento, produzir os anticorpos necessários para combatê-lo.

“Para uma criança, o maior prejuízo de não ser vacinada, ou de uma vacinação tardia, é a exposição contínua à doenças, principalmente em suas formas mais severas. Afinal, as vacinas são a forma mais eficaz de desenvolver nosso sistema imunológico para suportar doenças graves”, ressalta a Dra. Sandi Sato, pediatra da Maternidade Brasília.

Além disso, se os seus filhos estão devidamente imunizados eles ajudam a impedir a disseminação de doenças para aqueles que não podem ser vacinados, incluindo recém-nascidos que ainda não podem ser vacinados e pessoas com sistema imunológico comprometido, que não conseguem desenvolver anticorpos para combater germes, bactérias e vírus de maneira eficaz. Dessa forma, ao longo dos anos, algumas doenças sumiram completamente da vida cotidiana, enquanto outras ainda estão sendo erradicadas gradativamente.

É importante acompanhar as imunizações

Muitas vacinas são administradas mais de uma vez, em diferentes idades e em combinações. Isso significa que você precisará manter o cartão de vacinas do seu filho sempre à mão! Uma dica é guarda-lo junto com a certidão de nascimento e outros documentos essenciais do pequeno.

Ao decorrer da infância, após as primeiras imunizações, muitos pais acabam esquecendo ou deixando de lado as próximas doses. Se por algum motivo você atrasar ou perder a data de uma vacinação, é importante sempre compensar as imunizações perdidas. Afinal, as vacinas são alguns dos medicamentos mais seguros e eficazes que temos hoje.

“Os pais devem atualizar o Cartão de Vacinação de seus filhos conforme as recomendações de um pediatra de confiança e podem se manter por dentro desse assunto buscando informações em fontes seguras, como as recomendações do Ministério da Saúde e da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP)”, pontua a médica especialista.

As vacinas recomendadas pelo Ministério da Saúde para as crianças são:

-BCG

-Hepatite B

-Hepatite A

-Penta/DTP

-VIP/VOP

-Pneumocócica 10-valente

-Rotavírus

-Meningocócica C

-Febre Amarela

-Tríplice Viral

-Tetra Viral

-Influenza

-HPV

A maior parte das vacinas que vão proteger a criança contra doenças graves devem ser providenciadas ao longo dos dois primeiros anos de vida, com reforços até os cinco anos. Em caso de dúvidas, entre em contato com um dos pediatras da nossa equipe! E mantenha-se atento às mudanças no Calendário Nacional de Vacinação. O Ministério da Saúde o revisa periodicamente, incluindo vacinas ou alterando doses.

Aproveite o lembrete e confira se o cartão de vacinas do seu filho está em dia; continue fazendo a sua parte para que ele fique mais protegido e saudável.

Caderneta de vacinação e sua importância

1º de julho
Por Dra. Ana Amélia Meneses Fialho Moreira
Neonatologista da Maternidade Brasília

A vacinação é um dos pontos de atenção mais importantes que os pais devem ter logo após o nascimento dos seus filhos. Nas primeiras semanas de vida, o bebê já deve ser imunizado com as vacinas BCG e a primeira dose de Hepatite B e, ao longo dos primeiros anos de vida, uma série de outras vacinas são indicadas para que a criança tenha um crescimento saudável.

Para isso, a atualização e a manutenção da caderneta de vacinação é de extrema importância no controle vacinal. Ela será utilizada e requisitada durante toda a vida, inclusive na fase adulta, e por isso os pais devem se preocupar em seguir corretamente as indicações de imunização, além de manter a caderneta preenchida e de fácil acesso, pois a caderneta da criança é um documento importante e deve estar presente sempre que procurar um serviço de saúde para atendimento.

Imunidade garantida

A caderneta da criança oficial foi criada pelo Ministério da Saúde para registrar as vacinas que a criança tomou e as que ela precisa tomar. Como a quantidade de doses é muito grande, o calendário de vacinação deve ser sempre acompanhado por um profissional de saúde para que não deixe de ser aplicada na cronologia correta, e assim a formação dos anticorpos se dê no tempo necessário para que a imunidade aconteça de forma correta. Ela é disponibilizada para todos os nascidos no território brasileiro, através das Secretarias Estaduais de Saúde. Algumas instituições possuem as suas cadernetas, que uma vez contendo TODAS as informações da oficial, poderá substitui-la.

Na caderneta, além de informações em relação às vacinas aplicadas, inclusive com lote de cada aplicação, também constam dados importantes em relação ao desenvolvimento e crescimento da criança. Caso haja perda da caderneta de vacinação, os responsáveis pela criança devem ir ao local onde foram feitas as vacinas, para refazer o documento com todos os dados referentes às vacinas recebidas. Seguir o calendário vacinal mantendo a carteira de vacinação atualizada, é uma das ações mais importantes de prevenção de doenças.

Campanhas

No Brasil se realiza a cada ano várias campanhas de vacinação, com o objetivo de conscientizar a população, orientar e mostrar a real necessidade e importância de tomar as vacinas corretamente. Nessas campanhas se consegue abranger um maior número da população a ser protegida e quanto maior o número de pessoas protegidas, menor é a chance de elas serem atingidas por doenças e, portanto, menor a chance de ocorrerem epidemias. Além disso, com a prevenção, o número de hospitalizações diminui, levando a menor incidência de mortalidade infantil.

O Brasil é um dos países que apresenta o maior número de campanhas de vacinação. De acordo com um estudo realizado esse ano pelo Ministério da Saúde, atualmente o país possui mais de 36 mil salas de vacinação, que juntas aplicam uma média de 300 milhões de imunobiológicos, e ainda exporta doses para mais de 70 países. De acordo com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), o Brasil é referência internacional no processo de produção de vacinas.

Importante saber

– A caderneta de vacinação é o documento que comprova a situação vacinal, por isso, deve ser guardada junto aos demais documentos pessoais;
– A caderneta de vacinação pode ser cobrada pelas redes de ensino durante a matrícula dos alunos.
– Diante da importância da vacinação, foi criado o dia Mundial da Vacinação cuja data é 17 de outubro.